Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Dia dos Pais

Primeiro dia dos pais divorciado. Ainda é estranho não estar com alguém após tantos anos casado.

Passei um sábado agitado com meu filho, entre shopping, presenres (dias dos pais e ele que ganha presente), restaurante, banho e cama. Um fim de semana como qualquer outro anterior que passamos.

Até que… Uma amiga que conheci em umas das noites de karaoke me chama no celular. Uma surpresa, ja que nem imaginava que ela tinha meu telefone.

– Alec? Está ocupado hoje? Vem no Karaoke?
– Estou com meu filho. Por que?
– Queria te apresentar alguém. Ela é uma amiga maravilhosa. Voce vai gostar.
– Não prometo nada, ainda que estou com meu filho. Qualquer coisa passo la mais tarde. Mas se eu for não ficarei muito rempo.
– Me avise. Estou torcendo para que consiga ir. Ah, este é o Facebook dela.
– Lívia, como eu disse. Nao prometo. Te respondo depois.

Uma pessoa para eu conhecer? Nao sou fã dessas manipulações marotas do destino. Mas… Por que não? Há tanto tempo sozinho, apenas com romances de uma noite, porque não conhecer a amiga da minha amiga, que está dando uma de cupido maluco? Quando é que o cupido erra? Ironia, claro.

Mas, pela curiosidade e pela boa vontade dá Lívia, resolvi ir. E quando dei por mim, já havia combinado com Dona Mama Reidy que estava superanimada de passar a noite com o neto e me pús á caminho do bendito lugar.

Cheguei umas 22h, e logo da porta vi onde estavam, sentadas bem em frente ao palco. A Livia logo me viu e já fui arrastado para a mesa delas. E para a minha surpresa ela é linda, mais ainda pessoalmente.

De início me senti meio deslocado sendo o único rapaz na mesa com três garotas. Mas de certa forma, a conversa e a animação da Livia e da D. me deixaram bem confortável.

Senti que queria algo mais, talvez um contato mais próximo. Mas nao sentia que eu tinha o direito nem queria arriscar tomar um tapa na cara. Ainda que ela colocou minha mão em sua cintura. Mas ainda assim, decidi nao arriscar.

E foi logo após a meia noite, bem no dia dos pais, que o primeiro beijo aconteceu. Foi um beijo diferente, macio, não sei explicar direito.

Pouco depois, já pelas 2h da madrugada, trocamos telefones e cada um foi para o seu canto.

Não sei onde isso irá me levar. Mas certamente jamais esquecerei aquele beijo. Nem este dia dos pais.

Seja o/a primeiro/a a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: